Oficina de Haikai para Professores

Modelo de projeto de Oficina de Haikais para Professores
(Ensino Fundamental I e II e Ensino Superior)

 

Professor: inspire e estimule seus alunos a gostarem de poesia e a despertarem o poeta que habita neles


HAICAI: universo poético em três versos

O Curso-Oficina de Haicai é oferecido para professores do Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Ensino Médio e Ensino Superior

Ministrado pela poeta, jornalista e educadora Sílvia Rocha


Sinopse

Este curso oferece um olhar para o haicai brasileiro: poemas de origem japonesa, de 3 versos, inspirados na natureza e praticados no Brasil desde o  século passado. Os participantes terão a oportunidade de entrar em contato com esta forma poética, serão incentivados a observar os fenômenos da natureza e, a partir de leituras e exercícios e observações do entorno, criarão seus próprios poemas que também poderão ser ilustrados por eles. O curso oferece tempo e espaço para soltura e expressão poética e artística. A oficina proporciona a oportunidade de culto à língua portuguesa, à poesia e à natureza, de forma integrada. Um momento dedicado à natureza da poesia e à poesia da natureza.


Curso-Oficina de Haicai para professores

O Curso-Oficina de Haicai, quando oferecido aos professores de Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio, tem a particularidade de ser um agente multiplicador e transdisciplinar da forma poética de 3 versos. Por meio do ensino do haicai, os professores têm contato com o poema, ligado e inspirado na natureza, que pode ser trabalhado de forma integrada com Português, Literatura, Ciências, Artes Plásticas, História, Geografia, Ecologia e Meio Ambiente e Criatividade, dentre outras disciplinas e áreas de interesse.


Justificativa

Um desafio chamado haicai

Os alunos, de modo geral, necessitam de estímulos e de novos desafios. Um dos grandes desafios da escola é motivar os alunos para aprender e, sobretudo, para aprenderem a aprender e para gostarem de aprender, pesquisar e produzir conteúdos significativos.

Haicai: quando menos é mais

O haicai é simples e sintético. Por ser uma poesia curta, uma forma poética breve, ele “fisga” os alunos, de imediato. As crianças e os jovens acham o haicai interessante, por ser, à primeira vista, um poema curto, rápido e simples. Afinal, eles fazem parte de uma geração que assistem à TV fazendo zapping, apreciam o ritmo frenético dos videoclips, relacionam-se à distância e abreviadamente pelo messenger e redes sociais… Usam e abusam da brevidade e instantaneidade dos torpedos em seus celulares e do skype, do twitter… Então, a brevidade do haicai acaba sendo um grande atrativo inicial. Mal sabem eles que, embora de aparência minimalista, o haicai esconde um mundo… um mundo infinito de possibilidades! Mas que vão se descortinando aos poucos.


Público-alvo

Professores de Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Ensino Médio e Ensino Superior


Objetivos gerais e específicos

– Contribuir com o aprimoramento da leitura e da escrita de crianças e jovens, utilizando como estratégia didática o haicai.
– Ampliação do senso de responsabilidade sócio-ambiental
– Aumento da sensibilização para o entorno
– Crescimento do espírito de solidariedade
– Aumento da capacidade de observação e síntese
– Elevação da auto-estima
– Criação de “tempos e espaços” para a expressão poética
– Aproximação da família com a escola


Metodologia

– Aulas expositivas
– Leitura e análise de haicais clássicos e modernos
– Oficina de produção de haicais e ilustrações
– Compartilhamento da produção poético-artística com o grupo
– Possibilidade de publicação da produção do grupo (a combinar)


Carga horária
– Módulos de 3 horas


Valor por módulo
– A combinar


Características fundamentais

– Experiência altamente prazerosa
– Caráter multiplicador da aprendizagem
– Ênfase ao processo criativo
– Atividade mental criativa e lúdica
– Sem imposição de tarefas e obrigações
– Regido pela participação e interação das pessoas


Currículo da Facilitadora

 

Silvia Rocha é jornalista, escritora, poeta e pedagoga. Tem graduação e mestrado em Jornalismo pela Escola de Comunicações de Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Sua paixão pelos haikais – poemas, de 3 versos, de origem japonesa – teve início nos anos 1980. Desde então, vem se dedicando ao estudo, à escrita e à divulgação de haikais e de tercetos neles inspirados. Publicou Poesias “Só Pra Dar Bandeira”, juntamente com os poetas e artistas plásticos Ayao Okamoto e Chico Camêlo (Edição dos Autores, 1984).

 

É autora de Estação Haikai e Gestação Haikai pela Scortecci (1988 e 1990 – relançado com nova edição dois em um pela É Selo Editora) e venceu o Concurso de Poesia Falada do Café das Flores e da Revista Escrita com a série As quatro estações do ano, em 1987.

 

Participou da antologia 100 haicaístas brasileiros, organizada por Masuda Goga, Roberto Saito e Francisco Handa (Aliança Cultural Brasil-Japão e Massao Ohno, 1990) e da Antologia do haicai latino-americano, organizada por Humberto Senegal, H. Masuda Goga, Roberto Saito e Francisco Handa (Aliança Cultural Brasil-Japão e Massao Ohno, 1993).

 

Foi jurada de concursos de haicais escritos por crianças, como o da JAL (Japan Airlines) e dos Encontros de Haicaístas promovidos no Centro Cultural São Paulo (anos 80).

Foi consultora do SENAC no projeto Oficina de Haicai (Projeto Ler, Escrever, Poetizar e Desenvolver)[1] e ministrou a palestra para educadores: Inovação na educação: o Haicai, a convite do SENAC, na Bienal do Livro de 2008.

 

Também vem ministrando palestras e workshops em escolas e espaços de lazer e culturais, com destaques para as oficinas que vem ministrando conjuntamente com a paisagista Regina Bittencourt, associando a sensibilização para a poesia e para com a natureza e as estações do ano.

 

Foi agente literária da psicanalista e escritora inglesa Susie Orbach. Dela, prefaciou A gordura é uma questão feminista e prefaciou e traduziu Afinal, o que querem as mulheres? (Record, 1987 e 1988).

 

É colaboradora de revistas, como a Bravo!,e do Site da Granja, com a coluna Granja Sustentável.

 

Participou do evento Quinta Poética na Casa das Rosas, em São Paulo, juntamente com os poetas Rubens Jardim, Rodolfo Guttilla e João Gomes de Sá, em agosto de 2010 (evento mensal com curadoria do poeta Celso de Alencar, promovido pela Casa das Rosas e Escrituras Editora). Está preparando seu novo livro de poemas e blog.

 


Bibliografia sugerida

 

FRANCHETTI, Paulo, org. Haikai; antologia e história. 3a. ed. Campinas, SP, Ed. da Unicamp, 1996. 241 p. ISBN 85-268-0166-X. O melhor livro em português sobre o haicai japonês. Teoria, história e haicais traduzidos,  acompanhados dos originais japoneses.

 

GOGA, H. Masuda. O haicai no Brasil. São Paulo, Ed. Oriento, 1988. 72 p. Livreto que desvenda os caminhos do haicai no Brasil do começo do século até os anos 80. Versão on-line

 

GOGA, H. Masuda & ODA, Teruko. Natureza – berço do haicai; kigologia e antologia. São Paulo, Empresa Jornalística Diário Nippak, 1996. 268 p. O primeiro dicionário de termos-de-estação (kigo) em português, com haicais de exemplo. O apêndice traz textos introdutórios ao haicai.

 

BASHÔ. Trilha estreita ao confim. Trad. Kimi Takenaka e Alberto Marsicano. São Paulo, Iluminuras, 1997, 96 p. ISBN 85-7321-060-5. A tradução mais recente do diário de viagem “Oku no hosomichi”, ou “Sendas de Oku”, uma das mais famosas obras literárias do Japão, em que prosa e haicais são entremeados.

 

SVANASCINI, Osvaldo. Três mestres do haikai: Bashô, Buson, Issa. Trad. Maria Ramos. Rio de Janeiro, Cátedra, 1974, 72 p. Antologia de haicais traduzidos dos japoneses Bashô, Buson, Issa e Shiki.

 

Internet: kakinet.com – Um portal sobre o haicai, sobretudo o haicai no Brasil. Recomendado a todos os interessados pelo haicai. É excelente para introdução ao tema, bem como para o seu aprofundamento.